XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Bomba de baclofeno intratecal em paciente infantil com paraparesia espástica secundária a lesão medular

Objetivo

Avaliar o grau de espasticidade após implante de bomba de baclofeno intratecal (BBI) em paciente com paraparesia espástica secundária a lesão medular.

Materiais e Métodos/Casuística

Paciente acompanhada por equipe multidisciplinar no ambulatório de espasticidade do Centro Integrado de Reabilitação (CEIR – Teresina/Piauí), inicialmente, submetida as seguintes abordagens terapêuticas (baclofeno oral 80mg/dia, toxina botulínica e reabilitação física), sendo constatado que não houve uma melhora significativa, esta passou por cirurgia para o implante de BBI, onde avaliou-se o grau de espasticidade através da escala Ashworth M, antes e após o referido procedimento.

Resultados

Observa-se que o processo de implantação da BBI resultou em melhora significativa da espasticidade nos membros inferiores, visto que inicialmemte os valores de Ashworth M eram: flexores de quadril 1/1, adutores de quadril 2/2, extensores de joelhos 1+/1+ e flexores de joelhos 1/1, apresentando grau zero para os mesmos grupos musculares citados.

Discussão e Conclusões

Sendo a espasticidade o aumento do tônus muscular, manifestada clinicamente por hipertonia, hiperreflexia, clônus e automatismos segmentares, acarreta em limitação da qualidade de vida, principalmente a longo prazo. Em razão das complicações que pode causar, o tratamento deve ser planejado para que haja recuperação da qualidade de vida a longo prazo, com métodos mais eficazes e duradouros e com intervenção cada vez mais precoce. Dentre as condutas estabelecidas, o baclofeno intratecal (BI) é uma opção terapêutica nos casos de espasticidade de origem medular ou após lesão encefálica, quando as manifestações clínicas são difusas, mais severas e quando o paciente apresenta boa estruturação psicossocial para lidar com o segmento adequado de tratamento proposto e, com isto, apresenta excelentes resultados.Desta forma, o uso de BBI é uma conduta pouco invasiva, ajustável, reversível, seletiva e que possibilitou a diminuição da espasticidade e melhora da qualidade de vida da paciente estudada.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

Espasticidade, Qualidade de Vida, Equipe Multidisciplinar

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Centro Integrado de Reabilitação - CEIR - Piaui - Brasil

Autores

Jordano Leite Cavalcante de Macêdo, Louise Assunção Castro, Larissa Coimbra Alencar, Josione Rêgo Ferreira, Leylane Alzeni Mendes Rilzer Lopes, Ana Patrícia de Carvalho Petillo Rodrigues, Leonardo Raphael Santos Rodrigues, Franccisco José Alencar