XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

EXTRUSÃO ANAL DE SISTEMA COMPLETO DE DERIVAÇÃO VENTRICULOPERITONEAL - RELATO DE CASO

Objetivo

A DERIVAÇÃO VENTRICULOPERITONEAL (DVP) AINDA CONSISTE NO TRATAMENTO PARA HIDROCEFALIA MAIS UTILIZADO NOS TEMPOS MODERNOS. AS TAXAS DE COMPLICAÇÕES VARIAM DE 17-30 % SENDO QUE AS AFECÇÕES ABDOMINAIS SÃO BASTANTE FREQUENTES. APRESENTAMOS O CASO DE UMA COMPLICAÇÃO RARA DE DVP QUE É A EXTRUSÃO ANAL DE TODO O SISTEMA E DISCUTIREMOS AS POSSIBILIDADES DE ABORDAGEM.

Materiais e Métodos/Casuística

PACIENTE FEMININA, 7 ANOS DE IDADE, COM DIAGNÓSTICO PRÉVIO DE HIDROCEFALIA COMUNICANTE CONGÊNITA, REALIZOU CIRURGIA DE DVP COM VÁLVULA DE MÉDIA PRESSÃO NEONATAL COM POUCOS DIAS DE VIDA. INICIOU QUADRO DE CEFALEIA E REBAIXAMENTO DE CONSCIÊNCIA E CONCOMITANTE A ESSES SINTOMAS NOTOU ABAULAMENTO EM REGIÃO TORÁCICA ANTERIOR DIREITA À QUAL NÃO FOI VALORIZADA DURANTE AVALIAÇÃO PEDIÁTRICA INICIAL. FOI RECEBIDA EM SERVIÇO NEUROCIRÚRGICO EM GLASGOW 3 E TOMOGRAFIA DE CRÂNIO EVIDENCIANDO HIDROCEFALIA COMUNICANTE SEM A PRESENÇA DE CATETER VENTRICULAR E A INSPEÇÃO DA REGIÃO OCCIPITAL NÃO SE VERIFICAVA O “PUMP” DA VÁLVULA. FOI SUBMETIDA A DERIVAÇÃO VENTRICULAR EXTERNA (DVE) DE URGÊNCIA E O LÍQUOR COLETADO CONFIRMOU VENTRICULITE COM CRESCIMENTO DE PSEUDOMONAS AERUGINOSA. DOIS DIAS APÓS A COLOCAÇÃO DA DVE PACIENTE MANTINHA QUADRO DE CONSTIPAÇÃO, SENDO QUE APÓS USO DE PROCINÉTICOS APRESENTOU FEZES ENDURECIDAS E EXTRUSÃO DO CATETER DISTAL JUNTAMENTE COM A VÁLVULA E O CATETER VENTRICULAR. EVOLUIU SEM SINTOMAS ABDOMINAIS SUBSEQUENTES. APÓS CURSO DE 21 DIAS DE ANTIBIÓTICO E CULTURAS NEGATIVAS FOI REPASSADO DVP CONTRALATERAL SEM INTERCORRÊNCIAS EVOLUINDO DE FORMA SATISFATÓRIA.

Resultados

PERFURAÇÕES DE VÍSCERAS ABDOMINAIS COMO INTESTINO, ESTÔMAGO E BEXIGA PELO CATETER DE DERIVAÇÃO DISTAL JÁ FORAM REPORTADOS EM LITERATURA, CONTUDO SUA FREQUÊNCIA REAL É DESCONHECIDA. PACIENTES JOVENS SÃO MAIS ACOMETIDAS POSSIVELMENTE DEVIDO A FRAGILIDADE DA PAREDE INTESTINAL, A QUAL PODE SER MAIS FACILMENTE PENETRADA PELA PORÇÃO DISTAL DO CATETER DE DVP. OS MOVIMENTOS PERISTÁLTICOS SERIAM OS RESPONSÁVEIS PELA MIGRAÇÃO CAUDAL DO SISTEMA. A RÁPIDA IDENTIFICAÇÃO DA DISFUNÇÃO MINIMIZA OS RISCOS INFECCIOSOS. NÃO HÁ DADOS QUE CONTRA-INDIQUEM A REPASSAGEM DA DVP PARA O PERITÔNIO QUANDO POSSÍVEL.

Discussão e Conclusões

A EXTRUSÃO DE TODO O SISTEMA DE VÁLVULA E CATETER PROXIMAL E DISTAL NÃO HAVIA SIDO RELATADA PREVIAMENTE E A APRESENTAÇÃO DESTE CASO AUXILIA NA TOMADA DE CONDUTAS DIANTE DESSA RARA COMPLICAÇÃO.

Referências bibliográficas

Teegala R, Kota LP. Unusual complications of ventriculo peritoneal shunt surgery. J Neurosci Rural Pract. 2012;3(3):361-4.

Sarkari A, Borkar SA, Mahapatra AK. Anal extrusion of migrated ventriculo-peritoneal shunt catheter: An unusual complication and review of literature. Asian J Neurosurg. 2016;11(4):459.

Lt Col R Handa (Retd), Col R Kale, Lt Col MM Harjai. Unusual Complication of Ventriculoperitoneal Shunt: Anal
Extrusion. MJAFI 2007; 63 : 82-84

Palavras Chaves

HIDROCEFALIA
DERIVAÇÃO VENTRÍCULO-PERITONEAL
COMPLICAÇÕES
EXTRUSÃO ANAL

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

MEDNEURO - Mato Grosso - Brasil

Autores

Renato Carvalho Santos, Virgilio Vilá Moura, Kalinio de Kassio Oliveira Monteiro, Ronan Arnon Anchieta, Lucas Caixeta Nogueira, Caroline Ferreira Fagundes, Matheus Rodrigues de Souza, Atahualpa Cauê Paim Strapasson, Giovani Mendes Ferreira