XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Acidente vascular cerebral isquêmico em criança por toxoplasmose adquirida: um relato de caso.

Objetivo

Descrever um caso de acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) em criança com arterite devido à toxoplasmose adquirida, a fim de abordar a importância da neuroplasticidade para um bom prognóstico.

Materiais e Métodos/Casuística

Relato de caso colhido a partir da análise de prontuários, exames laboratoriais e de imagem.

Resultados

Paciente de 9 anos deu entrada no Hospital Escola da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro – São Paulo em estado torporoso e hipoativo. Ao exame físico admissional, apresentava-se afebril e sem alterações na orofaringe e no aparelho respiratório; porém, com hemiparesia esquerda. Solicitou-se exames laboratoriais gerais – hemograma, glicemia de jejum, perfil lipídico, função renal e hepática –, além de radiografia de tórax e tomografia de crânio. Apenas neste último exame verificou-se alteração, observando-se área capsular direita hipodensa, diagnosticada como AVCI. Para investigação, exames mais específicos foram solicitados, dentre os quais a sorologia para toxoplasmose que resultou em IgM positivo, sendo diagnosticado com AVCI por arterite pelo processo inflamatório da toxoplasmose adquirida. O tratamento foi iniciado com sulfa, antiagreganteplaquetário e fisioterapia e o paciente apresentou melhora motora e do quadro isquêmico de forma rápida.

Discussão e Conclusões

O AVCI manifesta-se como déficit neurológico focal e súbito que persiste por mais de 1 hora, confinando-se a uma área do cérebro perfundida por uma artéria específica. AVCI em crianças são eventos raros, mas estão se tornando condições mais pertinentes devido à gravidade de suas complicações e dos diversos diagnósticos diferenciais. O prognóstico do AVCI em crianças relaciona-se à causa base da doença e sua gravidade; portanto, a maioria dos pacientes não afetados por doença de base grave tem um bom prognóstico, embora necessitem de educação especial e uso de medicações. Embora o AVCI seja um episodio grave, o grau de neuroplasticidade apresentado pelas crianças favorece a recuperação, e em casos de maior gravidade é facilitada uma adaptação neural, permitindo baixos índices de sequelas e um adequado desenvolvimento, comparando aos adultos. Ademais, visto que a identificação precoce de AVC é fundamental na pediatria, no caso apresentado, apesar de o paciente não ter exibido sintomatologia específica de uma infecção como causa base, o tempo hábil para o diagnóstico e tratamento foi imprescindível para um bom prognóstico.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

AVC. Pediatria. Toxoplasmose.

Área

Áreas Afins

Instituições

Centro Universitário INTA - UNINTA - Ceara - Brasil, Faculdade Barão do Rio Branco - FAB - Acre - Brasil, Faculdade Universidad Privada Del Este - UPE - - Paraguai

Autores

Bruno Vasconcelos Aragão, Maria Carolina Quinderé de Almeida Frota, Maria Amélia de Jesus Ramos Albuquerque, Gustavo Peres Valadão, Rebecca Érly Leal Lima, Luiz Rogério Miranda Duarte, Amanda Maria Gomes Aguiar