XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Cranioplastia em pacientes pediátricos submetidos à craniectomia descompressiva: revisão sistemática da literatura

Objetivo

A cranioplastia é um procedimento realizado após uma craniectomia descompressiva, tanto em adultos quanto na população pediátrica. Realizamos uma revisão sistemática da literatura para identificar as complicações mais comuns desse procedimento na população pediátrica.

Materiais e Métodos/Casuística

Foi realizada uma busca nas bases de dados Scielo; PubMed e BVS com as palavras-chaves: “cranioplastia” e “pediatria”. O resultado foi de 137 resultados. Selecionamos trabalhos publicados no últimos 10 anos e revisões sistemáticas ou ensaio clínico, resultando em 2 artigos.

Resultados

Klieverik et al (2019) realizou uma revisão sistemática até 2018, incluindo pacientes menores de 18 anos, com um follow-up mínimo de 1 ano. Selecionou 24 trabalhos (864 cranioplastias), sendo que 56% foram realizados com osso autólogo (484 casos). Reabsorção, infecção e hidrocefalia foram as complicações mais comuns. Implantes foram usados em 380 casos (44%), sendo o material mais comum a hidroxiapatita, sendo a infecção e fratura/migração as complicações mais frequentes. Alguns trabalhos não relataram dados sobre revisões ou taxas de infecção. Conclui que as complicações são comuns e que a literatura atual não contempla casos bem documentados e com parâmetros comparáveis. Rocque et al, (2013) realizou uma revisão da literatura com a intenção de identificar fatores de risco para complicações. Encontrou 11 trabalhos (444 cranioplastias) concluindo: 1) flap ósseo armazenado em congelação apresentaram uma maior taxa de reabsorção; 2) 4 artigos analisaram a influência do tempo nas complicações, com 3 dos 4 mostrando não haver diferenças significativas, 3) não foi possível analisar os tipos de materiais, mas aparentemente enxertos colhidos no momento da reconstrução tiveram melhores resultados que enxertos armazenados, 4) não há efeito aparente do tamanho da cranioplastia ou idade nas taxas de complicações. Assim como a revisão anterior, também relata a falta de trabalhos com dados bem descritos passíveis de comparações.

Discussão e Conclusões

O melhor método para a reconstrução craniana em crianças submetidas à craniectomias ainda não está bem definido na literatura, existindo poucas evidências de alto nível sobre o assunto. O risco de complicações não se correlacionou com a idade do paciente com o tamanho do defeito, mas existe uma tendência a maiores complicações naqueles pacientes cujo flap ósseo foi armazenado por longos períodos.

Referências bibliográficas

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1. Klieverik, V. M., Miller, K. J., Singhal, A., Han, K. Sen & Woerdeman, P. A. Cranioplasty after craniectomy in pediatric patients — a systematic review. (2019).
2. Roque, B.G; Amancherla, K. Lew, S.M; Lam S.Pediatrics, N. Outcomes of cranioplasty following decompressive craniectomy in the pediatric population. 12, 120–125 (2013).

Palavras Chaves

Palavras chave: cranioplastia; pediatria; craniectomia descompressiva

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Instituto Dr. José Frota - Ceara - Brasil

Autores

GUILHERME SABOIA SILVEIRA, LUIZ ANDERSON BEVILÁQUA BANDEIRA, WANDERSON RICARDO SERAPIÃO DA SILVA, GUSTAVO BANDEIRA SANTOS, MARCELL ALVES MACEDO