XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Uso de suturas de nylon para correção de craniossinostose como método de fixação não-rigida: série de 155 casos

Objetivo

Devido a busca de métodos que evitem complicações relacionadas a reabsorção do material cirúrgico e que permitam o desenvolvimento adequado do sistema nervoso, materiais e métodos alternativos, como o uso de suturas com nylon, tem sido utilizados nas cirurgias de correção de craniossinostose. O objetivo deste estudo é avaliar a eficácia do uso destas suturas e comparar com a literatura.

Materiais e Métodos/Casuística

Entre 1992 e 2018, 152 pacientes foram operados pela nossa equipe para correção da craniossinostose utilizando a técnica de sutura com fio nylon para fixação dos flaps ósseos no remodelamento craniano. Dentre os casos citados, 53 (35%) tinham o padrão de trigonocefalia, 39 (26%) eram escafocefalia, 28 (18%) eram plagiocefalia, 11 (7%) eram braquicefalia, 4 (3%) eram turricefalia, 1 (0.6%) era trifilocefalia, 1 (0.6%) era oxicefalia e 15 (10%) eram casos indeterminados de craniossinostose. A idade média dos pacientes operados era 32 meses. Destes pacientes, 16 (10%) pacientes foram submetidos a um segundo tempo cirúrgico devido à complexidade da malformação óssea.

Resultados

Nenhum dos pacientes apresentou complicações que necessitassem de novas intervenções relacionadas ao material de sutura. Apesar de não quantificado individualmente, a complicação mais comum observada nos casos foi a perda sanguínea.

Discussão e Conclusões

Atualmente a sutura com fios cirúrgicos vem sendo utilizada por diversos neurocirurgiões na tentativa de encontrar um método de fixação não-rígida que permita o crescimento adequado do crânio e que não tenha complicações relacionadas à reabsorção.
Os fios inabsorvíveis como o Nylon têm a característica de não perder a sua força tensora precocemente, ocorrendo de forma gradual que permite o tempo de ossificação adequado. Além de não estar relacionado a complicações como reabsorção deficiente ou patológica do material polimérico, é considerado um método de fixação menos rígido que não prejudica o crescimento do sistema nervoso e tem um custo consideravelmente baixo.
Nossa série sugere que se trata de um método eficaz e seguro devido à ausência de complicações relacionadas ao uso do nylon.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

Craniossinostose; Cranioplastia

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Santa Casa de Misericordia de Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

Otavio Martins, Antonio Delacy Martini Vial, Pablo Ramon Fruett da Costa, Marcelo Paglioli Ferreira, Marcus Vinicius Martins Collares