XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Desenvolvimento de um protocolo perioperatório para pacientes submetidos ao tratamento das deformidades da coluna vertebral na população pediátrica

Objetivo

Os cuidados perioperatórios são determinantes para o sucesso das cirurgias de deformidades da coluna mas observamos que medidas como otimização da analgesia simples, redução do consumo de opióides e deambulação precoce tem grande impacto na evolução destes pacientes especialmente na fase intra-hospitalar. Foi desenvolvido um protocolo contemplando o perioperatório com a finalidade de otimizar a analgesia pós-operatória, reduzir tempo de permanência em UTI e internação, além de melhorar a performance pós operatória dos pacientes submetidos à cirurgia para tratamento de deformidades da coluna

Materiais e Métodos/Casuística

O protocolo divide-se em pré-operatório (preop), transoperatório e pós-operatório (PO). No preop avalia-se o estado nutricional, doenças preexistentes, laboratoriais e inicia-se com gabapentina. No transoperatório o paciente é anestesiado por uma equipe treinada, antibioticoprofilaxia com cefazolina (mantida 24h), tolerar Hb > 8 mg/dl, potencial evocado e no término realizada raquianestesia com morfina e clonidina. No PO é realizado um manejo com analgesia fixa (AINE, opiáceos e gabapentina), vasopressor apenas se PAM < 60mmHg, aproveita-se a janela de analgesia para colocar o paciente em ortostatismo nas primeiras 12-18 horas, dreno e sonda vesical retirados em no máximo 48h. Foram incluídos neste momento inicial pacientes deambuladores, sem alterações cognitivas, submetidos ao tratamento cirúrgico da deformidade com cirurgia por via posterior (n=4). Excluídos pacientes não deambuladores ou com alterações cognitivas. O grupo controle foi selecionado utilizando-se os mesmos parâmetros (n=26)

Resultados

Nos pacientes submetidos ao protocolo o tempo de internação total foi reduzido em 20%, internação na UTI foi reduzido em 42%. Notamos, ainda, uma redução no uso de opiáceos e no valor final da internação

Discussão e Conclusões

O manejo perioperatório destes pacientes traz a possibilidade de grande melhora nos resultados e carece de evidência de alto nível. Alterações nos cuidados como analgesia intratecal e deambulação precoce parecem ser pontos chaves para otimização da performance clínica pós operatória, o que se confirma nos resultados preliminares deste estudo. Vemos um impacto significativo na relação custo-efetividade de procedimentos desta complexidade. O desenvolvimento de um estudo prospectivo elevará do nível de evidência atual com impacto socioeconômico

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

Escoliose

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil

Autores

Antônio Delacy Martini Vial, Renata Michels Perico, Luciane Dani, Pedro Antonio Santini Dutra, Vinicius Gazzi, Samuel Conrad