XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Meningocele basal congênita gigante: relato de caso e revisão de literatura

Objetivo

O objetivo do nosso trabalho é relatar o caso de uma paciente pediátrica que possui uma meningocele transesfeinoidal congênita gigante com várias repercussões clínicas e evidenciar as principais atualizações sobre o tema, colocando em evidência a terapêutica cirúrgic.

Materiais e Métodos/Casuística

O respectivo trabalho foi realizado através do acompanhamento e revisão do prontuário do mesmo. Além disso, foi realizado uma revisão da literatura sobre o respectivo tema, focando nos tratamentos cirúrgicos atuais, através da plataforma "PUBMED" com os termos "basal meningocele" onde encontramos 52 resultados, dos quais 25 tratavam diretamente sobre o respectivo tema.

Resultados

Paciente, sexo feminino, 6 anos, vem ao ambulatório de pediatria com várias queixas desde o início da infância e recorrentes: tosse, sinusite, obstrução nasal, faringite, disfagia, otite. Ao exame físico notou-se uma massa na região do palato. Foi solicitado uma ressonância magnética do encéfalo que evidenciou uma herniação transesfenoidal de meninge contendo uma grande quantidade de líquor (Dados preliminares). Meningocele basal é uma lesão na qual há um defeito craniano subjacente associado à herniação de leptomeninges e LCR devido a perturbação na separação do ectoderma neural e de superfície no local de fechamento final do neuroporo rostral durante a 4ª semana de gestação. A meningocele contém meninges ou enquanto a meningoencefalocele contém adicionalmente parênquima cerebral. As meningoceles são classificadas de acordo com a localização do defeito ósseo: transetmoidal, esfenoetmoidal, transesfenoidal, esfeno-orbital e esfenomaxilar. As meningoceles basais congênitas são frequentemente clinicamente ocultas. O diagnóstico precoce possibilita a realização do reparo cirúrgico necessário ou a prevenção de episódios fatais de meningite. Deformidades na linha média facial podem sugerir o possível defeito de uma base do crânio e devem alertar os médicos sobre meningocele não reconhecida. Cirurgias endoscópicas têm sido amplamente utilizadas em várias formas de lesão na base do crânio e reduzem a morbidade e a permanência hospitalar pós-operatória. Em contrapartida, existem as abordagens cirúrgicas tradicionais.

Discussão e Conclusões

Mesmo com a pequena quantidade de informações na literatura, o diagnóstico precoce e o manejo cirúrgico dessa patologia são essenciais para esses pacientes neurocirúrgicos.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

Meningocele Basal; Pediátrico; Cirurgia.

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Universidade Federal do Ceará - Ceara - Brasil

Autores

Anderson Alexsander Rodrigues Teixeira, Sara Letícia Eufrásio Teixeira