XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Cifoescoliose como uma complicação da mielomeningocele

Objetivo

A maioria das anomalias congênitas da medula espinhal resulta de defeitos no fechamento do tubo neural (DTN) durante a 4ª semana do desenvolvimento, afetando os tecidos sobrepostos à medula espinhal. Aquelas que envolvem os arcos vertebrais são denominadas coletivamente de espinha bífida, apresentando-se nas formas oculta ou cística. Pacientes com espinha bífida têm predisposição em desenvolver deformidades na coluna, quadris, joelhos ou pé. Na mielomeningocele (MMC), as deformidades da coluna podem ser causadas por incapacidade estrutural das vértebras, devido à ausência dos arcos ou por paralisia muscular, ou devido ao aparecimento de complicações neurológicas tardias que impedem o desenvolvimento normal da medula espinhal e estruturas associadas. Este estudo tem como finalidade relatar o caso de uma criança de 04 anos de idade que apresentou cifoescoliose como conseqüência da MMC e descrever a importância do diagnóstico precoce de malformações espinhais e tratamento cirúrgico mais conveniente.

Materiais e Métodos/Casuística

Relatamos um caso de uma criança, natural e procedente de João Pessoa (PB), portadora de mielomeningocele em região lombo-sacral corrigida na época do nascimento. Evoluiu com quadro de bexiga neurogênica e cifoescoliose, como conseqüências diretas da MMC. Ao exame físico, apresentava dispnéia como consequência de uma diminuição da expansibilidade pulmonar.

Resultados

A abordagem cirúrgica foi a de corpectomia com fixação de parafusos transpediculares. Um diagnóstico pré-natal é importante, pois poderão ser feitos prognósticos de futuras malformações ou deficiências causadas durante a gestação por fatores teratogênicos ou genéticos.

Discussão e Conclusões

O manejo das deformidades da coluna na MMC é rigoroso devido a complicações que ocorrem no pré-operatório, como qualidade da pele, úlceras ou outra malformação associada simultânea, que podem contra-indicar a cirurgia, como no pós-operatório. O tratamento da cifoescoliose consiste na fusão espinhal, na maioria das vezes, por via anterior e posterior. Com o tratamento instituído, houve melhora funcional para este paciente, melhora no posicionamento e liberação dos membros superiores. Assim, o diagnóstico dessas complicações deve ser realizado de forma precoce e o tratamento neurocirúrgico deve preceder a correção da deformidade, pois a remoção da causa pode estacionar a deformidade e o inverso pode agravar a lesão neurológica.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

"Curvaturas da Coluna Vertebral"
"Doenças da Coluna Vertebral"
"Meningomielocele"

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Centro Universitário de João Pessoa - Paraiba - Brasil

Autores

Mateus Santiago Souza, Matheus Pereira Fernandes, Marina Pires de Souza Braga, Beatriz Nogueira Gabriel, Diego Pereira de Melo Oliveira, Mirely Gomes Gadelha de Oliveira, Christian Diniz Ferreira