XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Comparação de eficácia da coagulação do plexo coroideo ante terceiroventriculostomia e válvula visando o tratamento de hidrocefalia em crianças

Objetivo

Apresentar taxas de desempenho e benefícios da técnica de coagulação do plexo corioideo em relação a treceiroventriculostomia e válvulas; elucidar a técnica mais eficaz para o procedimento; elencar as principais complicações.

Materiais e Métodos/Casuística

Revisão bibliográfica apoiada na analise de 30 artigos coletados nas bases de dados bibliográficos PubMed, ScienceDirect e Ovid no periodo de 2000 a 2019, ante as palavras-chave: choroid plexus, coagulation, hydrocephalus.

Resultados

A taxa geral de sucesso após a coagulação do plexo coroide varia na literatura de 32% - 60%. Em 82% dos casos não necessita-se de outras intervenções no tratamento da hidrocefalia, superior a terceiroventriculostomia endoscópica sozinha, mantendo o desfecho da neurocognição e volume ventricular semelhante ao de uso das válvulas. A técnica aplicada através de endoscópios flexíveis apresenta maior taxa de sucesso em relação ao uso de endoscópios rígidos e contradiz-se sobre a técnica de coagulação subtotal e parcial. A coagulação do plexo coroide não demonstrou aumentar o índice de complicações em relação a terceiroventriculostomia endoscópica ou ao uso de válvulas. As causas de falha do procedimento estão ligados a fatores como pacientes mais jovens, etiologia pós infecciosa, derivação prévia, cicatrização da cisterna e Coagulação incompleta do plexo coroide. As intercorrências do procedimento como sangramentos, alterações do olhar, paralisia e déficit de memória ocorre em menos de 1% dos casos e apresentam-se em média 6 meses após o procedimento.

Discussão e Conclusões

A técnica de coagulação do plexo coroide é recente, porém segura. Ademais, sustenta-se como alternativa superior à terceiroventriculostomia endoscópica e ao uso de válvulas, em pacientes que não apresentem fatores de risco ao procedimento. O desenvolvimento de escalas preditoras de sucesso são fundamentais para ratificar a acurácia do procedimento. Apesar do manuseio não ser uma habilidade comum aos neurocirurgiões, o treinamento da técnica se mostra eficaz e deve adentrar ao currículo das escolas visto o comprometimento e benefício dessa técnica em relação as outras disponíveis.

Referências bibliográficas

Palavras Chaves

Hydrocephalus, chorioid plexus, coagulation

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Centro Universitário de João Pessoa - Paraiba - Brasil

Autores

Diego Pereira de Melo Oliveira, Matheus Pereira Fernandes, Mateus Santiago Souza, Marina Pires de Sousa Braga, Mirely Gomes Gadelha de Oliveira, Beatriz Nogueira Gabriel, Christian Diniz Ferreira