XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Gigantismo secundário a neoplasia selar. Um relato de caso.

Objetivo

Os Adenomas Hipofisários são lesões benignas que apresentam cerca de 10 a 15% dos tumores intracranianos, sendo a patologia intrasselar mais frequente. Eles podem ser classificados quanto sua função: secretores ou não secretores. Dentre os secretores, o mais comum é o prolactinoma. Pode haver também a secreção de outros hormônios, como o GH, em aproximadamente 14% dos casos, levando à acromegalia ou gigantismo a depender da idade. O objetivo do trabalho é relatar a experiência de caso raro, em que paciente em tenra idade desenvolveu gigantismo devido a um adenoma hipofisário, subsequentemente atendido e tratado em abordagem neurocirúrgica. Fazer menção à importância de diagnosticar lesões hipofisárias causadoras de gigantismo mediante os quadros de crescimento físico exacerbado, desenvolvimento e maturação puberal precoces, alterações hormonais e outras características condizentes.

Materiais e Métodos/Casuística

Os dados foram coletados com base na anamnese, exame físico e exames complementares. Ademais, foi feita uma revisão de literatura baseada em artigos do Pubmed, Scielo e Lilacs.

Resultados

ASN, masculino, 7 anos. Evidencia desenvolvimento acelerado, começou a apresentar quadro de tonturas e dores articulares, bem como, surgimento de pelos corporais associados a alterações corporais típicas como crescimento de extremidades, faces, mãos e pés, alargamento de nariz e dos lábios, crescimento exagerado da mandíbula, diastema, macroglossia e hipertelorismo. A pediatra que o acompanhava clinicamente o encaminhou ao endocrinologista. E realizada a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) demonstrando a presença de massa em região selar, compatível com macroadenoma funcionante, produtor de GH, foi referenciado ao serviço de neurocirurgia para ressecção do tumor.

Discussão e Conclusões

Os macroadenomas funcionantes são patologias raras, que devem ser prontamente diagnosticados e tratados, para evitar as possíveis consequências físicas e hormonais provocadas pela doença.

Referências bibliográficas

ROCHA, Antônio José da;VEDOLIN, Leonardo; MENDONÇA, Renato Adam Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem-Encéfalo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
ROWLAND, L. P. MERRIT – Tratado de Neurologia. 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

Palavras Chaves

Adenoma, hipofisário, gigantismo

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Hospital São José do Avaí - Rio de Janeiro - Brasil, Universidade Iguaçu - UNIG Campus V - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

André Pereira Santos de Souza, Bruna Aparecida de Lima, Kelen Caroline Martins, Fernando Coelho Villela, Augusto Avelino Cristianismo, Henrique Alves Pinto Silva, Edson Bernaldino Neto, Carlos Eugenio Monteiro de Barros