XIII Congresso Brasileiro de Neurocirurgia Pediátrica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Craniossinostose e assimetrias cranianas

Objetivo

Relatar a incidência e a relevância do reconhecimento precoce da craniossinostose primária, a fim de se evitar as complicações com a terapêutica adequada.

Materiais e Métodos/Casuística

Trata-se de um estudo de revisão sistemática da literatura realizado no período de 2011 a 2013, utilizando-se a seguinte pergunta norteadora: qual a incidência e a importância do conhecimento sobre craniossinostose?. Nas buscas foram utilizados os descritores: craniossinostose, assimetria craniana, suturas cranianas. Foram incluídos 3 artigos na revisão após os seguintes critérios: texto completo disponível; assunto principal: craniossinostose, crânio; limite: humanos, crianças; idioma: português; assunto da revista: cirurgia geral, neurologia, radiologia.

Resultados

A craniossinostose é uma condição patológica que acarreta malformações cranianas devido ao fechamento precoce de uma ou mais suturas cranianas e pode, além da deformação estética, provocar o aparecimento de complicações neurológicas, principalmente se houver o fechamento de mais de uma sutura. A incidência aproximada de craniossinostose primária é de 1 criança a cada 2.000 nascidas. O diagnóstico pode ser suspeitado desde a fase intrauterina, por meio da ultrassonografia ou ressonância magnética fetal, nos quais se observa assimetrias cranianas ou craniofaciais. a classificação apresenta 04 tipos principais: escafocefalia ou dolicocefalia, trigocefalia, plagiocefalia e braquicefalia ou turricefalia. Essas malformações são mais comuns nos homens e podem, muitas vezes, estar associadas a outras anomalias ósseas. O tratamento da craniossinostose geralmente é cirúrgico e tem como objeto principal corrigir a distorção craniana e evitar progressão e deformidade craniofacial.

Discussão e Conclusões

Portanto, faz-se necessário realizar o correto diagnóstico a fim de se tratar da forma mais adequada e se evitar complicações neurológicas futuras.

Referências bibliográficas

LADERIRA, P. R. S et al. Estado atual e perspectivas futuras da pesquisa em cirurgia craniofacial: revisão sistemática. Rev. Bras. Cir. Plást. abr-jun 2013.
ALONSO, N. et al. Idade e indicações de osteotomias para avanço frontofacial em pacientes com craniossinostoses sindrômicas. Rev. Bras. Cir. Plást. abr-jun 2012.

Palavras Chaves

assimetria craniana; craniossinostose; suturas cranianas.

Área

Neurocirurgia Pediátrica

Instituições

Faculdade Santa Maria - Paraiba - Brasil

Autores

Mariane Estevão Teixeira, Rízia Ferreira Cavalcante, Luanna Ferreira Cavalcante, Kayo Fernandes Florencio, Ayli Micaelly Silva, Ayslane Patrícia Macedo, Ayana Formiga Cartaxo